Voluntários são orientados sobre atuação nas Paralimpíadas em Ji-Paraná; competição começa na quinta-feira


Estudantes de educação física de duas instituições privadas de Ji-Paraná integrarão o quadro de voluntários que atuarão na fase Paralímpica dos Jogos Escolares de Rondônia (Joer), desta quinta-feira (25) ao próximo domingo (28). Eles receberam orientações sobre a função nos jogos, que são classificatórios para a fase nacional Paralímpica que será realizada em novembro, em São Paulo.

O convite aos 21 participantes teve por objetivo oportunizar aos acadêmicos o conhecimento prático na organização e gestão de evento esportivo. “Além desse viés administrativo, os voluntários serão peças-chave no desenvolvimento de outras atividades durante a competição”, assinalou a professora Célia Nogueira, chefe do setor de Educação Física da Coordenadoria Regional de Educação de Ji-Paraná (CRE-Ji-Paraná) e uma das responsáveis pelo evento.

“A participação nesse evento Paralímpico é mais um ganho de experiência, sobretudo pela expectativa em atuar em grande evento”, avaliou o acadêmico Higor de Sousa Engel, que já tem experiência em evento esportivo municipal. Colega de faculdade dele, Jennefer Silva Neves vai atuar pela primeira vez em evento Paralímpico. “Esse trabalho voluntário vai me trazer uma vivência prática com esse público”, avaliou.

Sônia Burgarelli Amaral está no início da faculdade. Esta será a primeira experiência dela como voluntária. “Já sinto a adrenalina desse desafio”, anima-se Sônia, ao descrever a sensação de bem-estar e euforia em colaborar com o próximo.

PARCERIAS

Para a realização da fase estadual Paralímpica em Ji-Paraná, o Comitê Central Organizador (CCO) selou parcerias para o serviço voluntariado com a Universidade Norte do Paraná (Unopar) e com o Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (Ceulji/Ulbra), além da prefeitura.

“É muito importante essa parceria porque é um compromisso entre os governos estadual e o municipal em promover o esporte para todos, para todas as idades e, principalmente, às pessoas especiais“, declarou a secretária de esportes de Ji-Paraná, professora Seloi Totti, enfatizando que é possível, sim, fazer a inclusão social por meio do esporte.

Fonte: Secom – Governo de Rondônia

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação