Rondônia: um mundo de mistérios


    Mistérios envoltos do Mundo Amazônico não são novidades, não são recentes as notícias de expedições à região que fracassaram por motivos que até hoje são questionáveis. Razões que transitam entre o real e o imaginário, basta nos remeter à viagem comandada por Francisco Orellana, que partira de Quito, no Equador descendo o rio Amazonas. Fazia parte desta expedição frei Gaspar de Carvajal, relator oficial da viagem.

O ponto máximo dos relatos de Carvajal faz referência aos conflitos com uma tribo indígena formada exclusivamente por mulheres. Elas eram ferozes, fortemente armadas e atacaram os homens de Francisco Orellana no dia 24 de junho de 1542. Eram doze, e oito foram mortas. Na descrição de frei Gaspar de Carvajal, “eram brancas e altas, tinham longos cabelos trançados e enrolados na cabeça, eram muito robustas e estavam nuas, com as partes íntimas cobertas, lutando tanto quanto dez índios homens”, consta ainda que elas mutilavam os seios para facilitar o manuseio de armas.

As amazonas, como foram batizadas pelos integrantes da expedição, emprestaram seu nome da mitologia grega para a maior floresta tropical do mundo. Mas nunca mais, nos quase 500 anos seguintes, foram vistas por qualquer outra pessoa, passando a fazer parte do imaginário que permeia a Hileia Amazônica.

Descobertas arqueológicas recentes em Rondônia têm suscitado debates, controvérsias e posicionamentos que permeiam o mundo das ideias. Sabemos que Rondônia é um dos estados da Amazônia com maior índice de sítios arqueológicos registrados.Ao longo das décadas de 80 e 90 foram descobertas e estudados várias locais de ocupação humana na região que antecedem a presença europeia, especialmente a partir dos grandes empreendimentos governamentais como abertura de estradas e construção de hidrelétricas.

A descoberta que mais tem intrigado especialistas são os geoglifos encontrados na região do município de São Francisco do Guaporé, estes achados ocorreram durante o processo de pavimentação da BR – 429, que liga Presidente Médici à Costa Marques, são estruturas que até então só haviamsido encontradas no estado do Acre e em países andinos.

Os geoglifos são vestígios arqueológicos representados por desenhos geométricos (linhas, quadrados, círculos, desenhos, etc.) de grandes proporções, que podem ser melhor observados do alto. São famosos os geoglifos de Nazca, ao sul do Peru, descobertos por acaso na década de 30 e que até hoje suscitam teorias e polêmicas.

No caso de Rondônia, os geoglifos foram descobertosdurante os trabalhos de levantamento e resgate arqueológico associado ao licenciamento da Rodovia BR 429, foi identificado um complexo de geoglifos, composto por duas estruturas circulares com cerca de 280 metros cada uma, denominado Complexo Tarilândia.

O Complexo foi registrado e os trabalhos de resgate iniciados em agosto de 2010, através de uma empresa de consultoria arqueológica particular, com parceria da Universidade Federal de Rondônia, fizeram parte da equipe cerca de quinze pessoas, entre técnicos e especialistas de vários estados do Brasil, na equipe de Rondônia faziam parte eu, os professores Lourismar Barroso, Dante Fonseca, e o geólogo Sergio Carvajal.

Foram encontrados inúmeros vestígios antropológicos, entre eles uma grande quantidade de cerâmica, algumas bem elaboradas com detalhes coloridos que retratam a natureza da região, como cabeças de araras e quelônios. Outros objetos líticos (de pedra) também demonstram grande habilidade de seus fabricantes, como machadinhas cortantes,bacias e pilões para o preparo de alimentos.

Sobre a estrutura desses locais é possível obter dados conclusivos, agora, no que tange à sua funcionalidade existem mais dúvidas do que certezas. As arguições são muitas em relação à construção dessas figuras: Com que propósito teria sidos construídos esses geoglifos, e como foi possível a perfeição de suas formas geométricas? Teriam sido esses locais ambientes de moradia, culto, proteção, defesa?  Quanto tempo se levou para a sua construção e por quanto tempo foram ocupados? Como era a floresta no período de sua construção?

cats

Equipe de arqueólogos realizando escavações no leito do geoglifo. Foto: arquivo pessoal.

Talvez jamais chegaremos a conclusões precisas, porém sejam quais tenham sido sua utilidade, cabe a nós buscar conhecer e preservar os vestígios de nossos antepassados assim, contribuirmos para a formação de cidadãos que primem pela ética humanista e não apenas materialista.

É evidente que não podemos ser contra o progresso, ou esperar que tudo continue para sempre como está, pois o mesmo não pode ser parado, o mundo atual apresenta um ritmo frenético e constante. É claro que nosso Estado deve buscar melhorias para seus habitantes, que novas construções devem surgir e a paisagem mudar, mas o que não deve nunca ser deixado de lado é a preservação do patrimônio humano, pois ele representa a materialização da nossa história e da identidade cultural coletiva.

A perda do patrimônio representa a perda da história e da identidade, o que pode ser preocupante, pois a história do nosso Estado e do local onde moramos é única e insubstituível, e a destruição das suas representações materiais representa o esquecimento de parte da nossa identidade cultural, e esquecer nossa cultura e origens é esquecer quem somos.

Infelizmente o que já foi destruído está perdido para sempre, restando apenas o eventual registro iconográfico e documental. O que nos resta fazer é reconhecer a importância do patrimônio remanescente, conscientizar a população de sua importância coletiva, mudando a concepção antiga de que coisa velha não tem importância e cobrar das autoridades responsáveis a correta preservação de tudo aquilo que tiver relevância para a história coletiva e da região.

 

20 Comentários

  1. ANGELA MARIA LOURENÇO março 14 às 20:55

    Parabéns, nobre colega Célio Leandro da Silva, Textos amplamente rico, valioso e agradabilíssimo à leitura! Se tivéssemos mais pessoas como você, nossa memória estaria preservada e nada mais se perderia. Amei! Parabéns! Abraço

    Responder
  2. Elder Nogueira março 14 às 21:06

    Parabéns pelo texto, um texto simples e rico em informações. Indico a leitura e aprofundamento nos temas debatidos.

    Responder
  3. Angela Maria Lourenço março 14 às 21:21

    Parabéns nobre colega Célio Leandro da Silva! Precisamos de mais textos como o seu. Linguagem precisa, riqueza de detalhes, num texto extremamente agradável. Me considero uma pessoa de muita sorte por ter acesso a texto tão rico em conhecimento! Abraço Angela Lourenço

    Responder
  4. Verônica Oliveira março 14 às 21:50

    Ótimo artigo. Um texto com um belo conteúdo e gostoso de se ler. Parabéns ao colunista Célio Leandro da Silva.

    Responder
  5. Larissa Moreira março 14 às 22:22

    Infelizmente somos sabedores dos descasos das autoridades responsáveis pela preservação de nossa historia, fico feliz que ainda existem estudiosos esforçados e insistentes como os que compõem esssa sua equipe. Parabéns pela batalha....

    Responder
  6. Naftali março 14 às 23:33

    Nossa teacher parabéns agora sei quem vai fazer meus relatórios e atas...

    Responder
  7. Taíssa março 15 às 00:37

    Parabéns Célio! ! Seu texto além de claro é muito objetivo.

    Responder
  8. IZIS CÚBIA março 15 às 08:48

    Nasci em Rondônia e me sinto honrada em saber que nossas origens possam ser ressaltadas por grandes profissionais como você Célio Leandro. Que mais textos assim possam ser elaborados e divulgados como fonte de informação para todos. A sociedade rondoniense precisa conhecer e preservar seu patrimônio histórico e para isso é necessária a educação patrimonial. Excelente texto.

    Responder
  9. IZIS CÚBIA março 15 às 11:55

    Nasci em Rondônia e me sinto honrada por ver informações tão importantes sobre as nossas origens. profissionais como você fazem a diferença ao ressaltar a importância da educação patrimonial. Parabéns. excelente trabalho!

    Responder
  10. Weverton Cardoso março 15 às 12:31

    Muito bom. Informações desconhecidas pela maior parte da população rondoniense. Obrigado professor!

    Responder
  11. Derli Schwanke março 15 às 13:09

    Parabéns! Vossa Senhoria como goleiro é um promissor arqueólogo! Seriamente: em um país onde sequer as necessidades mais básicas da população são supridas, pobre arqueologia!!!

    Responder
  12. Prof. Ms Gilberto Teles março 15 às 13:37

    Parabens Mestre Celio. Excelente texto. Exclarecedor e consistente. Continue a pesquisar, escrever e contribuir, como tem feito, de forma científica para manter sempre latente a história do nosso querido Estado de Rondônia.

    Responder

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação