Prefeitura está preparada para receber desabrigados, se for preciso


 

Semas 04O secretário municipal de Assistência Social de Porto Velho ( Semas), Solano Ferreira, em entrevista à imprensa,  informou que a Assistência Social e a secretaria municipal de Programas Especiais e Defesa Civil ( Sempedec), numa ação conjunta,  estão atendendo as comunidades ribeirinhas do Rio Madeira, levando água potável, material de higiene pessoal e mosqueteiros às famílias impactadas pela enchente.

A Semas também  está realizando mapeamento socioeconômico das famílias;  fazendo o Cadastro Único (CadÚnico), para emissão de benefícios e  o fornecimento de cestas básicas pra quem teve impacto econômico e vulnerabilidade alimentar , e os benefícios essenciais,  auxílio aluguel,  por exemplo , caso seja necessário.

Semas 02Um barco com equipes da Semas e da Sempedec  desceu o Rio Madeira na tarde da terça-feira (14) para atender a população ribeirinha. Os distritos que receberão os benefícios nesse primeiro momento serão: São Carlos, Nazaré e Calama e as localidades de  Cavalcante, Guarani, Ilhas dos Periquito, Curicacas, Boa hora, Boa Vitória,  Santa Catarina,  São José da Praia, Conceição da Galera, Ilha de Assunção e Ressaca.

Segundo Anderson Nanan,  secretário adjunto da Sempedec,  essa ação é um desdobramento do plano de contingência lançado no final do ano passado cujo objetivo é  minimizar quaisquer danos ou perdas nas comunidades ribeirinhas bem como prevenir possíveis doenças ou endemias com água potável e kit de higiene pessoal.

Solano Ferreira informou que a previsão é que vai ocorrer, como sempre ocorre, enchente no Rio Madeira, mas,  não tão impactante como a enchente ocorrida há três anos e observou que mesmo assim, isso representa um risco, porque temos oito  bairros em Porto Velho que estão basicamente ao nível do rio, significa, que pode ocorrer  um impacto  volumoso considerando a quantidade de famílias que tem nesses lugares. “Em alguns desses bairros muitas famílias já foram retiradas para conjuntos habitacionais, outros agora no mês de abril já serão também transpostas, mas,  o fenômeno  enchente está aí, e por isso é que estamos em alerta”,  afirma o secretário.

Abrigos e alojamentos

Quanto a   desabrigados, o secretário disse que até o momento tem em médio vinte famílias que foram retiradas para casas de parentes. “Esse ano nossa proposta é não alojar em escolas pra não atrapalhar o ano letivo, até porque, segundo os prognósticos não terá um número grade de famílias desabrigadas. Mas já temos uma paróquia em Porto Velho que já disponibilizou o espaço, e esse espaço já está preparado  para abrigar famílias se necessário for. Temos também o prédio do antigo  Centro Integrado da Criança e do Adolescente (CICA)   que pertence a prefeitura  que  também já preparado pra receber as famílias caso seja necessário”, afirmou Solano Ferreira.

Fonte: Comdecom / Adaides Batista

Fotos: Assessoria

 

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação