Hypolito desabafa sobre Rio-16: ‘Tinha gente que não queria que eu fosse’


Aos 30 anos, Diego Hypolito terá a chance de disputar uma Olimpíada pela terceira vez em sua carreira. Sua convocação foi feita na última sexta-feira (08) e, até ver seu nome na lista, o atleta não conseguiu controlar a ansiedade. Estar entre os cinco titulares foi encarado como um alívio pelo veterano que nos dois últimos Campeonatos Mundiais, em 2014 e 2015, havia sido relacionado apenas como reserva. No Rio, integrará o time ao lado de Arthur Zanetti, Arthur Nory, Francisco Barreto e Sérgio Sasaki.

Em entrevista ao UOL Esporte, o ginasta que competiu na Olimpíada de Pequim-2008 e Londres-2012 revelou que estava apreensivo e falou em ‘pessoas que não queriam sua participação’ na Rio-2016, mas sem citar nomes.

“Até o dia (da convocação) achava que não iam falar meu nome. Por mais que tivesse pessoas dando apoio, tinha gente que não queria que eu fosse. Acaba sendo algo natural na escolha de uma seleção. Tem gente que acha a formação melhor de um jeito e outras de outro jeito. Mas achava que não daria (para estar na Olimpíada). Por isso fiquei aliviado. Não sei dizer quanto estou satisfeito”, afirmou o ginasta.

Diego revelou que sua apreensão aumentou ainda mais após a etapa de São Paulo da Copa do Mundo, em maio. Mesmo tendo ficado com a prata no solo – sua especialidade – e ter obtido uma boa nota, seu nome sempre foi colocado em dúvida pela comissão técnica da seleção.

Para definir os cinco ginastas, a comissão técnica não levou em conta apenas resultados em competições oficiais, mas também em quatro avaliações feitas com a presença de árbitros internacionais, o que tornou a escolha mais subjetiva.

“As declarações que deram na época da Copa do Mundo me deixaram receoso, mas continuei meu trabalho, treinando com empenho. Mas realmente achava que não iria para a Olimpíada”, disse o ginasta.

Com a vaga assegurada e a tensão no passado, Diego vai focar agora em aperfeiçoar os movimentos de sua apresentação no solo. O objetivo é chegar na Olimpíada em condições de brigar por uma inédita medalha.

“São poucos dias até a Olimpíada. Agora é ganhar força para finalizar bem a série e lapidá-la, deixar todos os elementos bem executados”, explicou.

E para buscar inspiração, Diego tem treinado nas últimas semanas ao lado de Arthur Zanetti, campeão mundial das argolas, e seu técnico Marcos Goto em São Caetano do Sul.

“O Marquinhos é um técnico campeão olímpico e este título só ele tem no Brasil. Tenho gostado bastante destes treinamentos e ele me faz acreditar que é possível chegar muito bem aos Jogos. Quero pegar um pouco da experiência de cada treinador”, completou o veterano.

Fonte:UOL

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação