Governo de RO decreta situação de emergência contra Aedes nos 52 municípios


O governo de Rondônia declarou guerra ao mosquito Aedes aegypti com a edição de dois decretos assinados na manhã desta quinta-feira (4) pelo governador Confúcio Moura e secretário de Estado da Saúde, Williames Pimentel.

Rondônia está em estado de alerta, segundo disse o governador Confúcio Moura em coletiva à imprensa, e por isso resolveu antecipar eventual situação de risco baixando decreto de emergência, que irá possibilitar sem burocracia o remanejamento de recursos para atender ações de saúde pública para evitar casos de dengue, chikungunya e zika.

A outra medida institui Comitê Estadual de Monitoramento e Avaliação Multidisciplinar para acompanhar a presença do mosquito Aedes aegypti nos 52 municípios de Rondônia.

“Antecipamos o decreto numa atitude preventiva em consenso com a equipe de saúde, da Agevisa, a Defesa Civil e do secretário Pimentel, porque as doenças estão desfiando a todos nós. Temos de trabalhar sem descanso e debelar, declarar guerra a um mosquito que está desafiando o Brasil. É muita responsabilidade, e neste ato temos o compromisso de continuar cuidando do povo de Rondônia”, disse o governador, que fez um apelo para que as instituições religiosas, a população, a imprensa e as prefeituras se engajem em campanha de combate ao mosquito. “Temos de bloquear uma enfermidade ainda desconhecida da medicina”, acrescentou, a respeito do zika vírus.

O secretário Williames Pimentel disse que os dois instrumentos assinados pelo governador elevam toda a sociedade de Rondônia para um compromisso e comprometimento de guerra a um mosquito que não pode nascer porque mata. “Esse compromisso deve ser de todos”, declarou. Ele disse que o decreto de emergência permite que os gestores municipais que receberam recursos em caráter de emergência possam abreviar procedimentos burocráticos para contratar serviços, comprar insumos, facilitando o combate ao Aedes aegypit.

Segundo ele, o estado tem a competência de coordenar, monitorar e assistir tecnicamente os 52 municípios de Rondônia. “O Comitê irá monitorar diariamente a situação e se um ou outro município precisar de mais recursos faremos gestão para captar no governo federal, que destinou R$ 2 milhões e 800 mil diretamente para os nossos municípios”, disse Pimentel.

O secretário Pimentel disse que a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) está à disposição dos municípios com a força tarefa e 15 camionetes equipadas com  supermáquinas UBV para “cortar e quebrar a cadeia de transmissão, matando o mosquito adulto”, mas ele alerta que a larva  e o ovo só são eliminados fazendo a limpeza em casa, nos recipientes e ambientes massivamente já divulgados, como caixas d’água destampadas, vasos de plantas, calhas e tampas de refrigerantes entre outros objetos.

Em relação aos casos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, o secretário Williames Pimentel disse que a Sesau registra sinais de aumento em quase cem por cento de dengue no mês de janeiro, a chikungunya está controlada e quatro casos de zika foram confirmados em Rondônia.

Uma boa notícia dada pelo secretário é que o Laboratório Central poderá fazer o diagnóstico das amostras de sangue com resultado em cinco dias, diminuindo muito o prazo do diagnóstico, anteriormente de 90 dias. “Isso foi viabilizado pelo governador com o governo federal, e assim os casos suspeitos serão diagnósticos em tempo curto, propiciando o monitoramento dos novos casos de forma rápida, o que levará a adoção de estratégias para impedir e controlar o surgimento de novos casos.”

 Fonte: Secom / Mara Paraguassu
Fotos: Daiane Mendonça

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação