Governo anuncia privatização dos Correios


A ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), conhecida popularmente como Correios, será privatizada até o fim do ano. Segundo o Ministro da Economia, Paulo Guedes, a empresa é uma das 17 estatais que serão repassadas para a iniciativa privada ainda em 2019.

Ainda segundo o Ministro, o anúncio oficial será realizado nesta quarta feira (21). Para que a privatização ocorra, ainda é necessário o aval do Congresso. Dentre as justificativas apresentadas para que a estatal fosse privatizada estão corrupção, ineficiência, greves constantes e perda de mercado para empresas privadas de entrega.

Além disso, durante os estudos realizados para a viabilização da privatização, o Ministério da Economia apontou rombos no fundo de pensão dos funcionários e no Postal Saúde, plano que atende aos funcionários. Juntos, os valores desse rombo chegam a R$ 15 bilhões.

O presidente Jair Bolsonaro foi questionado na manhã desta quarta-feira (21), sobre as privatizações. Ele informou que as empresas vão entrar no Programa de Parceria de Investimentos (PPI) antes do início do processo de privatização. O presidente comentou que o processo dos Correios se encerra ainda este ano, mas ele disse que é um processo demorado, justamente pela necessidade do aval do Congresso.

Outras privatizações

Além dos Correios, outras 17 empresas serão privatizadas, de acordo com o ministro. Entre elas estão a Telebras, Eletrobras, o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev).

Confira a lista completa abaixo:

  • Emgea (Empresa Gestora de Ativos);
  • ABGF (Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias);
  • Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados);
  • Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social);
  • Casa da Moeda;
  • Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo);
  • Ceasaminas (Centrais de Abastecimento de Minas Gerais);
  • CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos);
  • Trensurb (Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A.);
  • Codesa (Companhia Docas do Espírito Santo);
  • EBC (Empresa Brasil de Comunicação);
  • Ceitec (Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada);
  • Telebras
  • Correios
  • Eletrobras
  • Lotex (Loteria Instantânea Exclusiva);
  • Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo)

Resistência

privatização dos Correios é um dos objetivos do governo federal já tem algum tempo. De acordo com Paulo Guedes, em abril já estava definido que a estatal faria parte do grupo de empresas vendidas para a iniciativa privada.

Apesar da intenção do governo, a privatização sofre certa resistência interna: o então presidente da estatal, o general Juarez Aparecido Cunha, defendeu que a população pode ser prejudicada com a medida – ele explicou que a população vai arcar com os custos da operação, enquanto a parte lucrativa ficará nas mãos da iniciativa privada.

Após a declaração, Juarez Cunha foi substituído por Floriano Peixoto Neto no comando dos Correios. Em junho, o novo mandatário ainda não parecia convencido do processo de privatização.

Fonte: OlharDigital

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação