Ciro diz que Lula insiste em ‘farsa’ de candidatura e tenta enganar o povo


Ciro Gomes, candidato a presidente pelo PDT em 2018 Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

 Para pedetista, ex-presidente não ‘tem nada de inocente’ e se coloca como ‘candidato sem poder ser’

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), afirmou nesta segunda-feira, em entrevista exclusiva ao GLOBO, que o ex-presidente Lula demonstrou não ter tirado lições do período que passou na cadeia, onde ficou 580 dias: “Ele não aprendeu rigorosamente nada (na cadeia) ao se colocar como candidato sem poder ser”. Para Ciro, o petista estaria tentando enganar o povo “com a presunção de que o povo é ignorante, é idiota” e a “farsa de 2018”, quando Lula lançou candidatura mesmo barrado pela Lei da Ficha Limpa, está se repetindo e, agora, será uma “tragédia”.

Ciro foi ministro da Integração Nacional no primeiro mandato de Lula e na eleição do ano passado chegou a ser procurado pelo ex-presidente para que aceitasse, inicialmente, ser seu vice. Depois, o cabeça da chapa presidencial. O pedetista se recusou a conversar com Lula. Após ficar em terceiro lugar na disputa presidencial, viajou para o exterior e não subiu no palanque de Fernando Haddad, substituto do PT para o líder encarcerado. Confira os principais trechos da entrevista:

Como o senhor viu a soltura de Lula?

Quem comemora que um cidadão esteja preso? O cara saiu da cadeia, acho que é hora dele. Eu não sei se eu aguentaria ficar preso, embora eu me comporte. É um negócio de maluco. O (Nelson) Mandela foi preso por luta armada contra o apartheid (regime de segregação racial da África do Sul), o Lula foi preso por corrupção, condenado por corrupção passiva. Você pode até discutir, como eu já falei um milhão de vezes, o devido processo legal. Eu não acho que ele tenha tido o direito (a julgamento justo), agora que ele seja inocente, estou cansado de saber que ele nunca foi, (vi isso) de perto, testemunhadamente. Achei melhor ficar calado, deixar acontecer para ver.

O PT dizia que o Lula é um preso político.

Preso político? O último preso político notável da América Latina foi o (ex-presidente do Uruguai Pepe) Mujica. Preso (durante a ditadura militar do país sul-americano), que nunca viu um promotor ou o juiz sumiu. Ficou um ano numa fazenda dormindo num silo, quase enlouqueceu. O nome disso é preso político. Agora o outro lá é preso político. Aí de repente, o Supremo manda soltar e pronto, não é mais preso político? É um negócio de doido. Se você entrar nisso, é a tragédia brasileira.

Como avalia a situação após os discursos do Lula, já fora da cadeia?

É a loucura que está acontecendo no Brasil. Vejo basicamente que a história se repete como farsa, e se houver repetição de novo, será como tragédia. É isso que está acontecendo neste momento. O Lula não saiu da cadeia inocente, nem inocentado pelos tribunais como eles estão, de novo, enganando e explorando a boa fé da população brasileira. O Lula foi devolvido às ruas porque está pendente um conjunto de recursos. Ele tem direito de aguardar em liberdade como qualquer outro cidadão. Aí o Lula sai imediatamente demonstrando que não aprendeu rigorosamente nada, sai o mesmo: candidato sem poder ser. Já foi assim em 2018. E deu-se a farsa do Haddad, que se submeteu a uma fraude (ao aceitar ser vice e depois cabeça da chapa). Eles diziam que eleição sem Lula era fraude, depois já não era mais fraude. O que eles dizem de manhã não serve para de tarde. Sempre com a presunção de que o povo é ignorante, que o povo é idiota, que cabe manipular, mentir, enganar porque o que importa é o projeto de poder. Agora, vai se repetir como tragédia, se persistir nesse caminho.

Para o Bolsonaro e seus apoiadores, é positiva a soltura do Lula?

É tudo que o bolsonarismo, empurrado para o gueto de onde nunca deveria ter saído, está ardorosamente comemorando. Essa mistura de proto fascismo, moralismo de goela e a manipulação da religiosidade popular, é um fenômeno muito complexo e grave. E no simbólico, o Lula (personifica para eles) a impunidade. E o Lula não tem nada de inocente, no mínimo, nas escolha. Foi ele que escolheu a Dilma (Rousseff), ele que escolheu Michel Temer, ele que empoderou o (ex-presidente da Câmara) Eduardo Cunha, ele que nomeou o Geddel (Vieira Lima), entregou R$ 1 bilhão de contratos superfaturados sem licitação para o (ex-presidente do Senado) Eunício Oliveira na Petrobras, ele que loteou a Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica. Se não teve o devido processo legal (no caso do tríplex do Guarujá), denunciei para ele alguns desses outros casos, pessoalmente.

E por que o senhor não rompeu com o Lula antes, ao ver tudo disso?

Eu me afastei. Numa eleição majoritária, a gente vale pelo que é e pelo que nega. E o quadro brasileiro, era nós ou Aécio (Neves, candidato do PSDB a presidente em 2014). Evidentemente, eu não tenho arrependimento, mas fui engolindo, engolindo até o limite. Não aceitei mais ser ministro a partir do segundo mandato (do Lula), não aceitei ser ministro da Dilma. Me afastei, e não vou votar do outro lado, obviamente. Agora, vou ajudar a construir um outro caminho.

A oposição ao governo Bolsonaro pode reaproximar o senhor do Lula?

Eu não quero mais andar com o lulopetismo corrupto nem para ir para o céu. Prefiro amargar mais alguns dias, meses ou anos no purgatório do que ter de engolir o que eu já engoli por 20 anos.

O Lula já fez algum movimento para ter uma conversa com o senhor desde que saiu da prisão?

Ele virou esse camarada inconfiável. Agora quer aparecer como se não fosse o polo catalizador da hostilidade. Ele agora é generoso, que não tem ódio no coração, e, quando vai falar, o ódio sai pela boca, pelos olhos, furibundo contra todo mundo. Fala da política econômica. Só tem explicação: ele aposta sistematicamente que o nosso povo é idiota, que é incapaz de entender as coisas até contra as evidências. Constrangedoramente, o Bolsonaro está pagando a menor taxa de juros da história da Selic e o Lula pagou as maiores.

Muitos analistas atribuíram a vitória do Bolsonaro a um racha na centro-esquerda?

Não creio que haja no Brasil clareza sobre essas fronteiras (direita, esquerda). O valor da ética, na tradição da humanidade, pertence à prática da esquerda. E o lulopetismo transferiu esse valor para o Bolsonaro. Onde está a ética hoje? Na mão do Bolsonaro, que diz que a corrupção acabou. Reina em cima do lulopetismo, que faz de conta que o rei não está nu. R$ 51 milhões em malas dentro um apartamento em Salvador, do Geddel Vieira Lima, de onde ele tirou esse dinheiro? Será que todo mundo é idiota? Não foi da vice-presidência da Caixa do governo Dilma, não foi do Ministério da Integração Nacional do governo Lula (postos que Geddel ocupou nos governos petistas)? Por que eu não sou processado? (O ex-governador) Tarso Genro não é, (o ex-governador) Olívio Dutra não é, (o vereador) Eduardo Suplicy não é. Por que essa persguição é só contra o Lula e a turma dele? Toda a executiva nacional do PT não pode tirar uma folha corrida.

Qual o caminho que o senhor enxerga para o país?

O caminho é banir a ilusão caudilhesca, personalista, culto à personalidade. Está aí o problema da Bolívia. A Bolívia está crescendo, está fazendo esforço de diversificar a sua plataforma de commodities. Não aceitou entregar as riquezas estratégicas nem para os americanos, nem para os russos e, de repente, cai. Porque de novo é a mesma característica. Claro que neste momento estou preocupado com a vida do Evo Morales. Não é hora de qualquer reflexão, a não ser dizer que não é papel de militar, em pleno século 21, constranger a autoridade civil eleita pelo povo com ameaça de violência. Agora, quanto desse projeto foi apropriado pelo povo? Será que só tem uma pessoa (Evo, que estava há 13 anos no poder)? Isso é ser de esquerda? Aí eu vejo um petista tarado, que é igual a bolsominion, dizer que a (chanceler alemã) Angela Merkel foi reeleita quatro vezes. Oh anta, a Angela Merkel trabalha num regime parlamentarista e está num escrutínio diário.

Mas não é difícil o senhor encampar esse discurso sendo que a sua história política é mais voltada para a sua personalidade?

Não é mesmo. Veja o que está acontecendo no Ceará. Eu sou caudilho? Nunca quis ser reeleito. Nunca perdi uma eleição no Ceará. Tenho uma aliança de 20 partidos. Hoje o PT governa com meu apoio. Lá tem um plano sendo implatado. Aos 36 anos, era o governador mais popular do país, larguei tudo e fui para a universidade. Sou igual ao Lula? De 1989 para cá o Lula é uma figura central. O lulopetismo virou uma bola de chumbo amarrando o Brasil ao passado.

Mas o projeto é Ciro, não é um partido, uma ideia.

Eu não tenho culpa como a imprensa trata. Estou me esforçando para ser coletivo a vida inteira. Ajudei a fundar o PSDB, peguei o PPS com dois deputados e fiz crescer. Aí quando chega perto do poder vira o oposto.

Como o senhor enxerga a oposição?

Perdemos a eleição extensamente. Fica-se todo tempo buscando um terceiro turno. Perdemos a eleição pra presidente e no Congresso Nacional por 3 a 1 (a oposição tem um terço dos parlamentares). Desde o começo, eu trabalhei para mitigar danos, para constranger o Bolsonaro ao jogo democrático.

O senhor vê espaço para furar esses polos de Lula e Bolsonaro?

Não acho que seja fácil, mas é imperativo. Venho de um tempo que a ditadura parecia ser indestrutível e, de repente, se dissolveu no ar. Aí os polos eram PMDB e PFL. Tinha um partidinho que a gente fez que se chamava PSDB, que tinha oito deputados. E outro partidinho danado de chato chamado PT. E passaram depois 20 anos esses dois se enfrentando. Um já sumiu, eu ganhei do (Geraldo) Alckmin em São Paulo (em 2018). No Ceará, eu nunca perdi nenhuma. Nessa, eu ganhei e o Haddad, na capital que é o eleitorado mais crítico, tirou o terceiro lugar. Chega o segundo turno, para você ver como eles são honestos, o Haddad tem 71% e Bolsonaro, 28%. Aqui em São Paulo, onde ele foi prefeito, perdeu por 68% a 32%. E eu que sou o culpado (pela derrota)?

Não dava para transferir mais?

Foi tudo tudo. Não acho nada legal afirmar, mas o Haddad está com uma condenação à prisão de seis anos (na verdade, a 4 anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, pelo crime de caixa dois eleitoral). Acho que tem muito lawfare (uso de mecanismo jurídicos para perseguição) no Brasil, muita injustiça, mas ninguém fez comigo até hoje.

Como o senhor avalia a decisão em si do Supremo de rever a prisão em segunda instância?

Desde o episódio da judicialização do caso Lula todo cidadão tem um sentimento de justiça. E o que faz nossa mais Alta Corte, perante esse sentimento de justiça? Por 6 votos a 5 diz que a prisão em segunda instância vale. Um ano depois, sem nenhuma inovação ou mudança institucional, pelos mesmos 6 a 5, vai na direção contrária. Isso na cabeça do povo é absolutamente deletério em matéria de confiança, porque, quem gosta do Lula, vai sempre acusar o Supremo de ter feito política ao sancionar uma prisão precoce do Lula naquela data.

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação