Boiadeiro comanda uma enorme rede de hospitais e quase virou ministro


Henrique Prata em sua sala no hospital em Barretos – Imagem: Joel Silva/Folhapress

É na recepção de um prédio residencial de alto padrão na zona sul de São Paulo que Henrique Prata, 66, recebe a reportagem para uma conversa de uma hora e meia. Escoltado por advogado e assessora de imprensa, o administrador de um conglomerado de hospitais filantrópicos e quase ministro da Saúde de Jair Bolsonaro (PSL) acabara de almoçar com o filho mais velho e o neto na casa da ex-mulher, em férias com o caçula nos Estados Unidos.

Estava inquieto com a reunião –e discussão– que manteve horas antes no gabinete do secretário estadual da Saúde em São Paulo, José Henrique Germann, na manhã daquele 14 de fevereiro. “O pau quebrou…”, contava ele enquanto se ajeitava no sofá. “Entreguei um dossiê com um monte de absurdo que acontece na saúde. E vou entregar outro ao ministro.”

A briga no gabinete começou depois que o staff do secretário tentou justificar uma portaria que teria “tolhido o direito de médicos” informarem seus pacientes sobre a disponibilidade de tratamentos contra o câncer no SUS (Sistema Único de Saúde). “Falei olha, eu só estou denunciando porque o secretário está assumindo e tem de saber o que tem por baixo dos panos. Vou antecipar tudo, mostrar o que vocês fizeram no passado.”

Prata ganhou fama de gestor habilidoso depois de tornar referência o antigo Hospital do Câncer de Barretos, a maior instituição oncológica do Brasil. O agora Hospital do Amor foi o primeiro a se valer de inteligência artificial em testes de câncer e a oferecer a milionária imunoterapia a pacientes do SUS. No ano passado, ficou no topo de um ranking de instituições dedicadas à pesquisa, à frente do próprio Ministério da Saúde (8º) e de referências como o Albert Einstein (14º), o Hospital das Clínicas da USP (16º) e o Sírio-Libanês (19º), todos em São Paulo.

Com a presença de Xuxa (à dir.), Henrique Prata (de óculos escuros) inaugura uma das unidades do então Hospital do Câncer de Barretos Imagem: Junior Silva/Folhapress... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2019/03/27/henrique-prata-o-amigo-de-lula-que-quase-virou-ministro-de-bolsonaro.htm?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=noticias&cmpid=copiaecola

Com a presença de Xuxa (à dir.), Henrique Prata (de óculos escuros) inaugura uma das unidades do então Hospital do Câncer de Barretos Imagem: Junior Silva/Folhapress…

Por 28 anos, ganhou fama como Hospital do Câncer de Barretos e teve unidades inauguradas em três regiões do Brasil até que, em 2017, foi rebatizado pelo publicitário Washington Olivetto. “O Washington é um grande admirador meu e do hospital”, diz. “Ele me disse: ‘Você tem de acabar com esse negócio de Hospital do Amazonas, do Tocantins, hospital não sei de onde. É Hospital do Amor’. E aí quem sou eu para discutir com o Washington Olivetto?”

O jeito simples de conversar, próprio de quem foi criado no campo, contrasta com a elegância do blazer bem cortado sobre a camisa sem gravata. Carismático, Prata sabe explorar as contradições de sua biografia. Só faz um autoelogio depois de uma piada sobre si mesmo. É assim que ele conta como, em 2006, venceu um concurso internacional da Avon para combate ao câncer ao deixar para trás instituições como o Inca (Instituto Nacional de Câncer) e a USP.

Quando eu cheguei pra defender a tese do projeto, tinha cinco livre-docentes do outro lado. Eu pensei: ‘Que cagada que eu fiz… Eu não pedi pra nenhum médico nem ler o que eu escrevi. Eu mal escrevo, mal fui alfabetizado, troco esse por cê’. E quem ganhou? Foi unânime!

Henrique Prata, gestor de saúde

Prata levou para Barretos US$ 2,5 milhões para construir um centro para prevenção de câncer de mama. Cinco anos depois, recebeu outros US$ 10 milhões da mesma empresa como prêmio pelo sucesso do projeto posto em prática. O reconhecimento, disse, lhe colocou uma pulga atrás da orelha:

“Eu não posso achar que um jumento que não estudou, que não tem cultura, seja capaz de fazer uma coisa mais profunda do que quem estudou… “

Henrique Prata deixou a escola aos 15 anos. Nasceu em São Paulo, na tradicional avenida Brigadeiro Faria Lima, mas, aos três anos, se mudou para Barretos, onde foi criado pelo avô materno, Antenor Duarte Vilela, um tradicional fazendeiro da região. “Meus pais eram médicos, viviam dentro dos hospitais. Meu avô me ensinou tudo. Ele dizia que eu só poderia mandar se soubesse fazer.”

Aprendeu o que pôde: foi tratorista, domou animais e aprumou cerca. Quando decidiu largar os estudos, foi emancipado e recebeu a primeira fazenda para administrar. Aos 18 anos, cuidava de oito propriedades da família. No final da década de 1980, já havia amealhado a própria fortuna e o respeito do pai, que entregou ao filho os cuidados do endividado Hospital do Câncer.

Sou um “gestor cristão idealista”

“Não tenho estudo, mas faço o que é certo”, resume Prata sobre suas habilidades de administrador. Todos os dias, conta, orgulhoso, toma café da manhã e almoça no refeitório ao lado de 5.000 funcionários. “Tenho uma convivência muito familiar com eles, mas a mão de dono é pesada.”

Crítico ferrenho da gestão pública e privada de saúde, Prata divide o ramo em duas categorias: “A do dinheiro e a idealista. Quem dominou tudo foi a medicina do dinheiro”, alfineta. “Os políticos e sua área técnica não são clientes do sistema público. Eles são atendidos pelo serviço privado e, do primeiro ao quinto escalão, pautam suas decisões pela política. Falta vocação.”

“Então o senhor se considera um gestor idealista?”, questiona o UOL. “Eu sou um gestor cristão idealista”, crava. “Eu não tenho estudo nem competência para fazer isso tudo sozinho. A obra não pertence a mim, mas a Deus.”

Católico fervoroso, diz que só compreendeu a vitória sobre os acadêmicos que disputavam o prêmio da Avon depois de ouvir de um padre espanhol “que o amor é superior a todos os estudos”. Recebeu o conselho depois de uma missa dedicada aos peregrinos que, como ele, faziam o Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha. Foi à missa com a perna toda enfaixada depois de “estourar o tendão com tanta subida e descida”.

A religiosidade e o espírito humanista, conta, herdou dos antepassados. Ele se remexe no sofá para dizer com olhar de surpresa que só há três anos descobriu a história da bisavó paterna, Ana Hora Prata, que no ano de 1900 montou a primeira Santa Casa do interior do Sergipe. “Bancou um hospital de 18 leitos por 30 anos com o próprio dinheiro”, diz.

“Você vê o que é a genética. O filho dela foi humanista, um médico formado no Rio que foi trabalhar no serviço público do interior de Sergipe. O filho dele, o meu pai, virou doutor pela USP em 1951 e foi fazer serviço público. Então é um DNA humanista, não tem explicação. Ninguém tem tesão de trabalhar faltando R$ 23 milhões por mês.”

Prata se refere à diferença que ele precisa cobrir todo mês para tapar o rombo deixado pelos repasses do SUS, que banca apenas 40% dos R$ 510,7 milhões gastos em 2017 com os serviços prestados por seus cinco hospitais e 11 centros de prevenção.

O restante da verba chega aos cofres por meio de doações: 1/3 delas provêm de deduções no Imposto de Renda; outro terço chega de leilões de gado, aproximadamente 880 mil eventos por ano promovidos por uma equipe contratada apenas para convencer produtores rurais a doar cabeças de gado, galinhas e até filhotes de cães. O restante do dinheiro chega de jantares com empresários, Nota Fiscal Paulista, doações ao site do hospital e a caixinhas distribuídas em lojas, supermercados e postos de gasolina. O programa de doação mensal garante um tíquete médio de R$ 15 por pessoa.

Críticas ao modelo

O hospital se mantém em grande parte com repasses das instituições públicas (Ministério da Saúde, estado de São Paulo e município) e de doações de empresas privadas via diferentes iniciativas. De acordo com David Uip, exsecretário da Saúde do estado de São Paulo, este modelo traz um problema de gerenciamento da instituição.

“O principal problema da saúde não é o investimento, é o custeio, esta é a questão desafiadora”, afirma Uip, atual reitor da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC).

Ele argumenta que questão se dá porque o Estado não pode privilegiar uma instituição e doações não trazem garantia de manutenção dos serviços.

“Quando se trata de dinheiro público, existe toda uma sistematização. Como secretário, não tenho autoridade de dar o destino [do investimento] sem combinar com os municípios. Mesmo que a verba venha carimbada da União para lá, ou eu aprovo na reunião bipartite [Estado + prefeituras] ou imponho via referendo, o que nunca é desejável, pois cria a questão de por que enviar dinheiro para este e não aquele? São Paulo tem muitos hospitais de excelência”, afirma o exsecretário. “Falam que é burocrático, mas isso é o pacto federativo.”

Ele também diz que não se pode confiar em doações para perpetuar os serviços de um hospital. “Doação é bacana, mas doação, por qualquer meio que for, não tem o ritmo que a complexidade do atendimento exige. Cria uma insegurança: em tempos de crise, quem paga a conta?”

“Enquanto você tem um gestor que tem muito apelo, isso funciona, mas e quando ele não estiver mais lá?”

David Uip, ex-secretário da Saúde do estado de São Paulo

Para Uip, a solução para a manutenção da qualidade e do serviço em Barretos seria o financiamento via Ministério da Saúde. “Com o orçamento direto da União. Assim é possível garantir a perpetuação. Com a garantia do orçamento, você mantém este custeio.”

Quase ministro

Prata voa 40 horas por semana em um dos seus dois aviões para passar o chapéu e organizar de perto suas 16 unidades de saúde. Se viaja para a capital paulista, prefere voltar para Barretos a pernoitar em São Paulo.

Foi na fazenda em que mora, administrada pessoalmente pela filha Adriana, 40, que recebeu surpreso uma comitiva do então candidato a presidente Jair Bolsonaro. Esse “grupo de assessores, mentores e colaboradores” do capitão reformado era liderado pelo deputado federal capitão Augusto (PR-SP) e pela jurista e agora deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), “que conheci porque ela era professora do meu filho”.

Esse grupo chegou na minha frente e disse: ‘Nós estamos te avisando pra você se preparar porque você é a melhor avaliação técnica para o Ministério da Saúde, e nós não queremos nem político e nem médico’. Aí eu falei: ‘Olha, eu não tenho preparo para isso, mas estou comprometido a ajudar’.

“Aí caiu na rede do zap…”, recorda-se. “Meu Deus do Céu, um dia eu recebi 670 zap.” Mas a promessa de um emprego na Esplanada não durou muito. Em uma entrevista para um jornal, capitão Augusto revelou o nome de Prata como um dos cinco mais bem cotados para a equipe ministerial de Bolsonaro. “Eu estava do lado, e ele passa o telefone. Se ele tá mandando eu falar com o repórter, eu vou acreditar no que ele falou. Aí eu disse que a primeira coisa que eu faço quando assumir é acabar com as benesses da medicina privada. Não fica pedra sobre pedra… Isso entrou na matéria e acabou a história daquele dia em diante [risos]. Eu não sou político, eu não agrego politicamente.”

Essa não foi a primeira vez que Prata quase virou ministro. “Ninguém sabia que eu era o ministro do [José] Serra [na campanha presidencial de 2010]. Todos os outros ministérios podiam ser negociados. O único que não seria era o da Saúde, que eu era o ministro.” Serra (PSDB) perdeu naquele ano a Presidência para Dilma Rousseff (PT).

Amigo íntimo de Lula e Serra vota em Bolsonaro

“Votei no Bolsonaro”, responde de pronto quando questionado sobre sua opção nas eleições de 2018. “O Bolsonaro tem simpatia pelo meu projeto. Ele e os filhos já doavam as emendas individuais de R$ 1 milhão sem nem conhecer o hospital.”

Prata recebe o amigo José Serra em Barretos durante a campanha presidencial de 2002 Imagem: Luiz Carlos Murauskas/Folha... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2019/03/27/henrique-prata-o-amigo-de-lula-que-quase-virou-ministro-de-bolsonaro.htm?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=noticias&cmpid=copiaecola

Prata recebe o amigo José Serra em Barretos durante a campanha presidencial de 2002 Imagem: Luiz Carlos Murauskas/Folha…

Ele torce o nariz, no entanto, quando fala sobre a polarização política vivida no Brasil. “Votei no Bolsonaro, sou amigo íntimo do Lula, amigo íntimo do Serra. Eu não tenho esse negócio de partido. As pessoas que me ajudaram nos valores que eu tenho ficaram meus amigos.”

Foi assim, conta, que caiu de amores pelo ex-governador de São Paulo Márcio França (PSB). Prata queria convencer o governo do Estado a bancar os altos custos da imunoterapia, a última palavra em tratamento contra o câncer, sem precisar desembolsar na Justiça os R$ 15.700 do remédio. “Ele foi três vezes em um mês pra Barretos. Um dos casos era de um médico meu de 31 anos. E ele disse: ‘Dá o remédio’. A hora que ele falou, eu disse: sou seu apoiador.”

Quando o cara mandou dar o remédio sem ação judicial, eu abracei, beijei, carreguei no colo. Ele saiu de 4% na pesquisa e foi para 20%. Esse apoio meu jogou ele lá pra cima. Eu fiz um pronunciamento de agradecimento, quase ajoelhei no pé dele.

Prata, de pernas cruzadas, acompanha discurso do ex-presidente Lula durante inauguração do hospital do Câncer Infanto-juvenil, em Barretos Imagem: Mariana Martins/Folhapress... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2019/03/27/henrique-prata-o-amigo-de-lula-que-quase-virou-ministro-de-bolsonaro.htm?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=noticias&cmpid=copiaecola

Prata, de pernas cruzadas, acompanha discurso do ex-presidente Lula durante inauguração do hospital do Câncer Infanto-juvenil, em Barretos Imagem: Mariana Martins/Folhapress…

Um “Dobradinho” por ano

Avesso ao noticiário, Prata não vem acompanhando o começo do governo Bolsonaro. “É tanta informação que não dá conta de julgar tudo. Você fica pasmo, sem ação”, diz. “Eu só fiquei sabendo do tsunami que teve lá em ‘Dobradinho’ três dias depois.” Errando o nome da cidade, Prata se refere ao rompimento de uma barragem de rejeitos em Brumadinho, Minas Gerais, no começo do ano.

Aquele tsunami é irrisório perto do que fizeram com a saúde pública. O tsunami não é só em ‘Dobradinho’, não. Em toda Santa Casa com mais de 250 leitos morre mais do que isso só porque não tem médico presencial. Na minha cidade tem um ‘Dobradinho’ por ano

A dedicação de Prata ao trabalho não traz apenas satisfação. Nem sempre ele consegue tempo para ver os três filhos – -Henrique (42), Adriana (40) e Antenor (38)– e atribui à “vocação” o fim do casamento de 30 anos. “Casei com 20 anos, mas essa folia de hospital e viver na minha vocação distanciou o meu casamento. Hoje eu tenho uma noiva de 30 e poucos anos. Uma diferença grande, mas ela é dentista, trabalha na rede pública em dois turnos, idealista também.”

Prata emendava outro causo quando tocou o celular. Ele descruza a perna, deixando à mostra sua bota preta de boiadeiro, e atende no viva-voz. “O senhor não chega aqui até umas 16h15, né?”, pergunta um assessor. “Às 16h30 eu chego. Se vira aí [risos].”

Ele guarda o celular, convida a reportagem a conhecer o Hospital do Amor, passa a mão na valise de couro e se dirige à portaria já fazendo planos para a inauguração de um hospital infantojuvenil previsto para 5 de abril.

Um empresário americano me deu R$ 26 milhões pra construir… Vai ser o melhor serviço de transplante que vai ter no mundo! Você nunca viu um cara bom de briga que nem eu…

Fonte: UOL-SP

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação