BEM-VINDA, QUALQUER VERDADE DEPURADORA!


BEM-VINDA, QUALQUER VERDADE DEPURADORA!

A oposição grita hoje tudo o que condenou quando Dilma foi descoberta nas suas estripulias.
A JBS agiu com inteligencia no sentido da salvação do seus negócios. Estranhamente, esse fato veio a público no dia em que os índices que favoreciam a saída da economia de um estado de recessão foram divulgados também pela mídia internacional e seus mercados. Uma pequena luz, mas uma luz da saída e não de um trem.

O que veio a tona foi contra o Presidente e um Senador. Vivemos em tempos de grampos. O STF demora meses para homologar delações, ontem foi rápido. Outras delações, pelo que se vê na mídia, também apresentaram provas consistentes. Mas a da JBS, foi muito rápida.

Entretanto, ah, os entretantos, ouvindo-se a fita, como se ouviu as de Delcídio e outras, a sociedade conhecerá a consistência ou não da delação e os peritos também.

Aguardemos as gravações na íntegra. Mas, torna-se indispensável que venham esclarecimentos sobre as relações, supostamente, espúrias, dos irmãos JBS com o ex-presidente Lula, seus filhos, o BNDES, o PT e, claro, também todos os partidos que saborearam a fatia do bolo da corrupção oferecido por esses empresários corruptos. Quando eles viram a aproximação de fatos envolvendo operações questionáveis com o BNDES, os irmãos devem ter pensado: “armamos, denunciamos e negociamos nossa saída do país para propor leniência nos Estados Unidos para nossas 56 empresas, pois se formos presos, ficará mais difícil isso”.

Uma ilação do comportamento deles. Compraram poderes, vendo a ganância de esquerdista do capital, e agora, para a salvação, jogam dois na lama, evidente que um é (ou era) o condutor da nação, mas, e os outros?

Ainda não se tem nada sobre os outros, mas, essa omissão teria sido proposital? A Globonews passa o dia todo repetindo a mesma coisa. Não se faz mais jornalismos no Brasil como outrora. Colocam cinco celebridades do jornalismo para dizer a mesma coisa que o telespectador já inferiu. A esquerda quer um corrupto de volta; a direita está perdida e outros que ninguém sabe de que lado estão ficam a ver navios, em Brasília, onde os navios somente se vê nas propagandas das agências de turismos.

Inconsequentes gritam antes do tempo. O delator apressado precisa também mostrar provas contra os juízes, coincidentemente aqueles que julgam Lula, Renan, Odebrecht e Eduardo Cunha. Tem muita coisa ainda a ser bem explicada, talvez até pelo jornalista que escreveu a matéria.

Aliás, a JBS tem que mostrar tudo de forma contundente, ou evidências. Acredita-se que Sua Excelência, o Ministro Fachin, que vem se conduzindo com muita cautela, para homologar tão rápido a delação, deve ter observado essas informações. Mas fica a impressão que os donos da JBS queriam mesmo era resolver seu acordo de leniência de suas empresas nos Estados Unidos, onde gera muitos empregos e lucros.

O Brasil que se dane, afinal, o BNDEs abriu suas portas para o mundo, com juros, supostamente privilegiados, e apoiados por autoridades brasileiras, embora, como sempre a JBS diz, que tudo teria sido dentro das regras. As garantias também?

Sobre ameaça de morte, isso é muito estranho. Eles apresentaram alguma gravação periciada? Como os maiores exportadores de carne do mundo, bilionários, não têm uma equipe de segurança para dificultar a concretização das ameaças? Sim, apenas dificultar, porque assassinatos contra celebridades acontecem em todos os lugares do mundo, inclusive, nos Estados Unidos, no Vaticano, na França, etc.

Parando por aqui, embora muita coisa ainda tenha que se explorar sobre essa delação, que será muito bem-vinda se tudo for realmente verdade, em benefício da depuração nacional. Enquanto isso, o que se vê, é uma batata quente que os donos da JBS colocaram nas mãos das autoridades brasileiras e saíram do país, todos serelepes, sem tornozeleiras, livres para o mundo, como se não houvesse integrado às empresas que cometeram os maiores crimes contra o Brasil, comprando o poder, como a sua.

0 Comentário

Nenhum comentário

Seja o primeiro

Deixe um comentário

Ao clicar em ENVIAR, aguarde nossa avaliação